Grande Otelo

Grande Otelo
Tela feita pelo grafiteiro CRÂNIO, em apoio à campanha.

Apoio de várias celebridades

Apoio de várias celebridades
Hebe Camargo num lambeselinho em Grande Otelo, mascote da campanha.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Gatos também já apresentam quadro de leishmaniose

Leishmaniose Felina



Leishmaniose em caninos já em bem conhecida,mesmo assim muito discutida.A Enfermidade em felinos é ainda pouco documentada,embora algumas características da espécie possam favorecer o contágio,como o estilo peridomiciliar,vespertino e crepuscular,mesmo assim são poucos casos registrados,entretanto, a maior parte é no Brasil.

Já está comprovado que os mosquitos do gênero Lutzomyia podem se alimentar do sangue de vários mamíferos domésticos e silvestres,dependendo do ambiente e disponibilidade.Cavalos,jumentos,marsupiais e roedores silvestres podem servir como fonte alimentar.

O aumento da população felina,as características específicas supracitadas e um maior controle da Leishmaniose em cães, pode levar a um aumento de casos da doença em gatos.



A enfermidade em felinos é basicamente dermotrópica,com manifestações cutâneas como nódulos,descamações,pápulas e úlceras,principalmente na face,focinho e pinas,podendo ser os únicos sintomas.Alterações viscerais não são comuns ou não relatadas nos casos descritos,mas pode ocorrer linfadenomegalia.

O diagnóstico é bem semelhante ao dos caninos:sorologia,citologia aspirativa e biologia molecular.

O papel do gato na epidemiologia da doença ainda é obscuro,não se pode afirmar se ele serve de reservatório ou não.Em um importante estudo,através de inquérito parasitológico,demonstrou que a maioria dos gatos que tinham o protozoário não apresentavam nenhum sintoma de leishmaniose.Outro dado importante é que a maioria dos gatos infectados experimentalmente obtiveram cura espontânea em menos de um ano,mas que respondiam ainda positivamente na sorologia.

O caso acima trata-se de um felino macho,resgatado na rua,em Fortaleza-CE,com intensa dermatite crostosa na face e orelhas,alopecia e caquexia.Faixa etária de mais ou menos 4 anos.Lesões eritematosas podais,onicogrifose marcante,com unhas quebradiças.

Foi instituído pelo proprietário um tratamento à base de ivermectina,com aplicações semanais,com discreta melhora.

Coletou-se material para raspado dermatológico(pesquisa direta de ectoparasitas e fungos) e para cultura fungica,sendo ambos negativos.Retirou-se um amostra sanguínea para sorologia para leishmaniose,dando o resultado reagente.


Uma terapia à base de Itraconazol foi iniciada,ainda sob a suspeita de dermatofitose,enquanto esperava-se o resultado do exame sorológico para Leishmania.O quadro dermatológico melhorou bastante,com regressão das lesões,permanecendo somente a alopecia e hiperemia no focinho e orelhas.


A resposta ao anti-fúngico corrobora com a opinião de alguns autores,da acão leishmaniostática do fármaco,com "cura temporária" da enfermidade.


O próprio manejo que foi implantado,com alimentação de qualidade e abrigo pode ter favorecido a recuperação do felino em questão,já que também a cura espontânea já foi documentada.


A leishmaniose felina deve ser incluída no diagnóstico diferencial de dermatites faciais principalmente em áreas endêmicas da doença.

Nenhum comentário:

Postar um comentário